domingo, 16 de novembro de 2008

Segunda Vinda de Jesus Cristo - O Arrebatamento


Segunda Vinda de Jesus Cristo

O Arrebatamento é a primeira etapa da Segunda Vinda de Jesus Cristo. É claramente explicado por Paulo em 1 Tessalonicenses 4:13-18:

13. Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem [quando morreram], para que não vos entristeçais [por eles], como os demais, que não têm esperança [além da sepultura].

14. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem [quando morreram], Deus os tornará a trazer com ele.

15.Dizemo-vos, pois, isto, pela [própria] palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos [diante da presença Dele] os que dormem [quando morreram Nele].

16. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.

17. Depois nós, os que ficarmos vivos [na terra], seremos arrebatados juntamente com eles [os que ressuscitaram] nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre (pela eternidade das eternidades) com o Senhor.

18. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.



O Arrebatamento portanto, consiste no encontro da igreja (a noiva) com Jesus (o noivo) nos ares.Todos que NEle crêem serão arrebatados, ou seja, desaparecerão da terra para viverem com Ele nos céus até a segunda etapa da sua Segunda Vinda. Como dissemos O Arrebatamento pré-tribulacional ensina que, antes do período de sete anos conhecido como Tribulação, todos os membros do corpo de Cristo (tanto os vivos quanto os mortos) serão arrebatados nos ares para o encontro com Jesus Cristo e depois serão levados ao céu.

O ensino do Arrebatamento é mais claramente apresentado em 1 Tessalonicenses 4.13-18, mencionado. Nessa passagem Paulo informa seus leitores de que os crentes que estiverem vivos por ocasião do Arrebatamento serão reunidos aos que morreram em Cristo antes deles. No versículo 17 a palavra “arrebatados” traduz a palavra grega harpazo, que significa “dominar por meio de força” ou “capturar”. Essa palavra é usada 14 vezes no Novo Testamento Grego de várias maneiras diferentes.

Ocasionalmente o Novo Testamento usa harpazo com o sentido de “roubar”, “arrastar” ou “carregar para longe” (Mateus 12.29; João 10.12).

Também pode ser usada com o sentido de “levar embora com uso de força”. (João 6.15; 10.28-29; Atos 23.10; Judas 23). No entanto, para nossos propósitos, um terceiro uso é mais significativo. Diz respeito ao Espírito Santo levando alguém de um lugar para outro. Encontramos esse uso em quatro ocorrências (Atos 8.39; 2 Coríntios 12.2, 4; 1 Tessalonicenses 4.17; Apocalipse 12.5).

A Igreja primitiva tinha uma saudação especial que os crentes só usavam entre si, conforme registrado em 1 Coríntios 16.22: a palavra “Maranata!” Esta palavra é constituída de três termos aramaicos: Mar (”Senhor”), ana (”nosso”), e tha (”vem”), significando, assim, “Vem, nosso Senhor!” Como outras passagens do Novo Testamento, “Maranata” só faz sentido se uma vinda a qualquer momento, for pressuposta.

É importante ressaltar, que estaremos sempre com o Senhor. Mas estaremos com Ele aqui também na terra, quando o Senhor virá “com todos os seus santos” para seu governo milenar. Outra característica importante é que o Arrebatamento acontecerá muito rápido, num “piscar de olhos”, conforme definido em 1 Corintios 15:51-52:

“Eis aqui vos digo um mistério (uma verdade secreta, um evento decretado pelo propósito oculto ou conselho de Deus): Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante [o som da] a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos [em Cristo] ressuscitarão incorruptíveis (livres e imunes da queda), e nós seremos transformados.”

Então eu digo Maranata !!!

Por Rodrigo Martins




video

sábado, 15 de novembro de 2008

O amanhã que não chegou


Conta-se uma história de uma jovem cristã que, quando criança, recebeu de Deus o chamado para ser uma missionária. O Espírito Santo a convocou de forma clara para fazer missões, mas ela respondeu que era muito cedo para ir, pois queria brincar, curtir a sua infância e adquirir mais sabedoria.

O tempo passou e ela já estava no fim de sua adolescência, quando novamente o Espírito Santo a convidou para ir à obra missionária. Ela pediu a Ele que fizesse este convite mais tarde, pois agora estava na flor da idade e desejava estudar, casar e ter filhos para, então, fazer o trabalho.

Os anos se passaram, a jovem se casou, teve filhos lindos e saudáveis e novamente Deus falou com ela, agora por meio de profetas. Após ouvir o chamado ela respondeu: "Senhor, eu quero fazer missões, amo a tua obra, mas, agora não. Tenho de educar bem os meus filhos, oferecer a eles qualidade de vida. Quando eles crescerem então irei."

Alguns anos se passaram, e novamente o Espírito Santo fez o convite àquela irmã. Ela pediu apenas mais um tempo, pois estava envolvida com o casamento da filha caçula e auxiliando os mais velhos a educarem os netos. Tempos depois, novamente o Senhor Deus chama aquela irmã para obra missionária. Ela então responde: "Senhor, eu gostaria de ir, mas já não tenho forças, estou velha e debilitada, não posso fazer mais nada."

Então o Senhor abriu os olhos daquela irmã que, em revelação, começou a ver muitas almas que desciam ao abismo sem salvação. O Espírito Santo então lhe disse: "Estas almas era sua missão. Você deveria ter pregado pra elas." Desesperada, a irmã tentou se levantar para ir, mas suas pernas já estavam entrevadas, seus olhos enxergavam muito pouco, e as palavras eram ditas com dificuldade. Assim, recordou-se do livro de Eclesiastes: "Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento." (Eclesiastes 12:1)

Querido leitor, o que tem feito no dia de hoje para o teu Deus? Quantas almas tem livrado do inferno? Pense nisso, pois o amanhã pode ser muito tarde.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008




Davi, a funda e as cinco pedras



Davi, a funda e as cinco pedras










  • Davi
  • A funda
  • Cinco pedras


Davi:


  • Um homem segundo o coração de Deus;
  • Um pastor de ovelhas;
  • Um músico dedicado;
  • Representa o verdadeiro obreiro.


A funda:


  • Instrumento semelhante a um bodoque/ estilingue;
  • Representa as armas espirituais do cristão; ou seja, a oração, a fé e a dedicação;
  • Instrumento de guerra que não tem aparência de arma;
  • Simples, porém, eficaz;
  • Deus usa as coisas simples para confundir as fortes.


Cinco pedras:


  • A munição da arma;
  • A munição do cristão: a Palavra (corta/cura/restaura);
  • Comparação com Isaías 9:6.
  • Deus forte: pedra de ataque;
  • Deus conselheiro: pedra de confiança;
  • Príncipe da paz: pedra de defesa;
  • Pai da etemidade: pedra de vitória;
  • Maravilhoso: pedra de segurança.


Obs.: Qual destas pedras você irá usar contra o seu Golias?


Alisson L. Malta

MaIs UmA cHaNcE

Havia um home muito rico que possuía muitos bens, e um único filho, seu herdeiro, que gostava de fazer festas e estar com seus amigos, e nunca ouvia os conselhos de seu pai.

Um dia, o velho pai, já avançado em idade, disse aos seus empregados para construírem um pequeno celeiro.

Dentro dele, o próprio pai faz uma forca e, junto a ela, uma placa com os dizeres: Para você nunca mais desprezar as palavras de teu pai.

E disse ao filho, eu já estou velho e, quando eu partir, você tomará conta de tudo... Talvez você deixe a fazenda nas mãos dos empregados, venda todos os bens para se sustentar e gaste tudo.

E quando não tiver mais nada, teus amigos se afastarão de você, e só então se arrependerá amargamente de não ter dado ouvidos a teu pai.

Foi por isso que construí uma forca. Ela é para você! Quero que prometa que, se acontecer o que eu disse, você se enforcará nela.

O jovem riu, achou um absurdo, mas, para não contrariar o pai, prometeu, pensando que isso jamais pudesse acontecer.

O tempo passou, o pai morreu, e seu filho tomou conta de tudo, mas, assim como seu pai havia previsto, o jovem gastou tudo, vendeu os bens, perdeu os amigos e até a própria dignidade.

Desesperado e aflito, começou a refletir sobre sua vida e viu que havia sido um tolo. E lembrou-se das palavras do seu pai. Pesaroso, o jovem levantou os olhos e avistou o pequeno celeiro.

A passos lentos, dirigiu-se até lá e entrando, viu a forca e a placa empoeiradas, e então pensou: "Eu nunca segui as palavras do meu pai, não pude alegrá-lo quando estava vivo, mas, pelo menos desta vez, farei a vontade dele. vou cumprir minha promessa. Não me resta mais nada..."

Então, ele subiu nos degraus e colocou a corda no pescoço, e pensou: "Ah, se eu tivesse uma nova chance..." Então, se jogou do alto dos degraus e, por um instante, sentiu a corda apertar sua garganta... Mas o braço da forca era oco e quebrou-se facilmente e o rapaz caiu no chão.

Sobre ele caíram jóias, esmeraldas, pérolas, rubis, safiras e brilhantes, a forca estava cheia de pedras preciosas e um bilhete.

Nele estava escrito: "Esta é a tua nova chance.Com amor, teu velho e já saudoso pai."
Deus é exatamente assim. Quando nos arrependemos, Ele sempre nos dá uma nova chance.



video


Alisson Leonardo Malta

Deus te Dará Tudo de Volta


Quantos de nós, já desfrutamos momentos de intensa alegria e felicidade, tão especiais, que pareciam que nunca teriam fim ou que nada seria capaz de obstruir ou se impor diante de momentos tão magníficos, os quais fizeram de nossas vidas verdadeiros baluartes de gozo e paz.

Um casamento bem sucedido marcado pelo amor, por uma amizade sincera e um companheirismo intenso, pronto para o que der e vier, ou a alegria de ter em seus braços o calor intenso de um filho, consolá-lo durante seu choro e divertir-se com suas risadas e travessuras, desfrutar da companhia de todos familiares, e vê-los desfrutando e gozando de saúde extraordinária.

Grandes conquistas, a oportunidade de cursar uma faculdade e proporcionar a você a abertura de muitas portas, privilégios de poucos, um bom emprego, um bom salário, conseqüentemente a possibilidade de várias aquisições, como, a casa própria, o primeiro automóvel, enfim, benefícios que refletiram sobre você e sua família, bem como, a todos aqueles que estão próximos a você.

Conseguiu “status” na sociedade, pessoas que não acreditavam em você, hoje são obrigadas a reconhecer seu esforço e de pé aplaudir suas conquistas, você tornou-se exemplo, referência para muitas pessoas, seus pais tem orgulho de você, seus filhos olham em você e o vê como um espelho, vêem em você o reflexo do futuro deles, verdadeiramente uma vida de sucessos e triunfos; quantos escritores desejariam transcrever no papel os acontecimentos e os segredos que o levaram a vitória, muitas pessoas seriam impactadas e influenciadas por você, com certeza, a biografia de sua vida seria um verdadeiro “Best-Seller”.

Isso tudo é muito belo e chega a nos emocionar. Porém, toda essa história aos olhos humanos, realmente parece ser uma ficção, um sonho, algo impossível de acontecer. O problema, é que nem sempre é assim, somos seres humanos e por isso estamos sujeitos a todos os tipos de acontecimentos, independente de cor, raça, credo, aparência, nível social, somos “surpreendidos” por acontecimentos que até então não eram previstos. Coisas que podem acontecer com todos menos com você, sempre nos sentimos inatingíveis; a alegria cede lugar à tristeza, o casamento que parecia insolúvel transforma se em divórcio, entes queridos faleceram e agora?

Desesperançado e ferido estás, as pessoas que admiravam você agora lhe apontam o dedo para acusar você, afastaram-se de ti, e o que restou, foi apenas um coração quebrantado e contrito e uma alma angustiada e abatida, você esta como o salmista dizendo “Por que está abatida ó minha alma, e porque te perturbas dentro de mim” (SL 42.11)

Parece que é o fundo do poço, o fim. Não desanimes o rei ainda se lembra de ti. Você conhece a história de Mefibosete? Se não, leia II Reis 9, e medite porque Deus fará contigo o que fez com Mefibosete. “Não temas, porque decerto usarei contigo de beneficiência por amor de Jonatas, teu pai, e te RESTITUIREI todas as terras de Saul, teu pai, e tu de continuo comerás pão a minha mesa”. (II SM 9.7). Tudo o que se perdeu irá ser restaurado. Todos contemplarão as maravilhas de Deus em sua vida, em seu lar, em seu trabalho.


Deus sempre pode lhe dar uma nova chance...


Alisson Leonardo Malta



Será que é tarde demais?


Há momentos em nossas vidas em que parece ser tarde demais para conquistar uma vitória. Sentimo-nos frustrados, começamos a acreditar que somos perdedores e o problema que nos aflige parece não ter solução. Às vezes, a lágrima vence a razão quando paramos para refletir sobre erros do passado e perspectivas para o futuro.

Era este sentimento que invadia o coração de Marta e Maria quando encontraram Jesus após a morte de seu irmão, Lázaro. Morto há quatro dias e já enterrado, pela lógica humana nada mais poderia ser feito a não ser chorar. Ao avistar o Mestre, Marta declara: "Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido." (João 11:21). Maria nem sequer vai ao encontro de Jesus - ela estava descrente de qualquer solução.

Em outras palavras, Marta estava dizendo: "Não adianta mais, Jesus. Agora é muito tarde, o pior já aconteceu e não há mais saída." Certamente, todos tenhamos chegado a esta conclusão em algum momento de nossa vida, até mesmo entregando-se à fatalidade, como Marta. Entretanto, devemos lembrar que ainda existe uma esperança: encontrar-se com o Mestre.

Jesus Cristo, o Mestre dos mestres, transforma o pranto em alegria, a morte em vida, a doença em saúde, a água em vinho, pescadores de peixes em pescadores de alma. Dois pães e cinco peixes se tornam alimento para uma multidão. Qual é a sua necessidade? Para Ele, o tempo não é limite, e o “tarde demais” não existe. Hoje é o dia da sua vitória.


Alisson Leonardo Malta

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Você realmente confia em Deus?


Você realmente confia em Deus?

Pense antes de responder. Dizer que confia em algo ou em alguém é fácil, difícil é demonstrar a confiança através de atitudes e ações. Quem confia, não fica o tempo todo questionando, pressionando, cobrando. A confiança reflete paciência e fé.

A definição da palavra fé presente na Bíblia Sagrada é abrangente e clara. Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. (Hebreus 11:1) Demonstrar fé é acreditar no impossível, é esperar a cura depois que os médicos já o desenganaram, é acreditar na vida quando o atestado de óbito está em suas mãos. É crer na prosperidade, estando desempregado.

Você tem fé? O patriarca Abraão nos deixou um belo exemplo de demonstração de fé. Quando Deus ordenou que ele saísse de sua terra, do meio de sua parentela, para herdar uma nova terra que o Senhor lhes daria. Abraão saiu sem questionar, e passou a obedecer todas as ordens divinas aguardando o momento em que tomaria posse da terra prometida.

Os que confiam no Senhor serão como o monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre. (Salmos 125:1) Se você confia, está debaixo desta promessa, e nada, nem ninguém poderá abalá-lo. Por mais que os vendavais sejam fortes, o temporal intenso, sua estrutura não é comprometida, porque o Senhor Deus está ao seu lado, protegendo-o.

Demonstre sua confiança em Deus, acredite na vitória. Não se deixe abater pela investidas satânicas e desilusões da vida. Não reclame, nem murmure, simplesmente, espere no Senhor. Ore e clame, mas, sem se desesperar, no momento certo (Tudo tem o seu tempo determinado (Eclesiastes 3:1)) O Espírito Santo ouvirá o seu clamor. Esperei com paciência no Senhor, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor. (Salmos 40:1)


Por pior que seja a situação, Deus está acima de todas as coisas. Nada nem ninguém desfaz o que Ele faz.